Filme Heleno é sucesso de críticas

Filme Heleno é sucesso de críticas

Depois de arrancar elogios da crítica e fazer sucesso em Toronto e Havana, o Filme Heleno é uma das estreias mais aguardadas do ano.

O filme sobre a vida do jogador apresenta belíssima fotografia preto e branco e trilha sonora tão envolvente quanto o mar frente ao Copacabana Palace e o Cadillac que emprestam charme à trama.

Rodrigo Santoro interpretando Heleno de FreitasDepois de ser elogiado pela crítica nos Festivais de Toronto e de Cartagena, na Colômbia e de levar um prêmio no festival de Havana, Heleno, segundo filme de José Henrique Fonseca, estrelado por Rodrigo Santoro (que também é co-produtor do longa) alcança o Festival Internacional de Cinema de Miami. A produção também ganhou elogios nas publicações e “Variet” The Hollywood Reporter”, em que foi comparada ao clássico do cinema “Touro Indomável” do sui generis Martin Scorsese.

Sinopse

Heleno de FreitasO filme que deve chegar às salas de cinema nacionais em março, conta a história de Heleno de Freitas, atacante que brilhou vestindo a camisa do Botafogo na década de 40. Mas, o futebol não era a única paixão de Heleno. Com a alma carioca, também amava a boemia e as mulheres. Em círculos de amigos, era apelidado de “Gilda” personagem de Rita Hayworth, ícone da beleza feminina nos cinema de todos os tempos.

Mais sobre filme Heleno é sucesso de críticas

Heleno jogou pela seleção e pelos times Vasco da Gama, Boca Juniors e Junior de Barranquilla. No Brasil, era o " craque problema",  graças às expulsões e discussões em campos. Em outros países latinos, conhecia-se por “El Jogador.

Santoro: atuação e produção

Capa do filme HelenoRodrigo Santoro, que prova, e de uma vez por todas, que não é apenas um rostinho bonito, foi idealizado como o ator perfeito para interpretar o craque problema. Para Fonseca, o convite para a produção do filme foi essencial para a maestral representação do jogador. "Acho que o ator entrar como produtor aumenta o envolvimento, o comprometimento”, diz o diretor, do também sucesso “O Homem do Ano”.

Para elaborar o longa, Fonseca foi beber na fonte da biografia que ainda não tinha sido lançada Nunca Houve um Homem Como Heleno, de Marcos Eduardo Neves, acumulou entrevista, empilhou fotografias e mergulhou nas linhas do escritor ganhador do Nobel, Gabriel García Marques.

Os anos 40 representam o início da paixão brasileira pelo futebol. Assim, o filme vai agradar amantes do futebol como identidade esportiva e, sobretudo, é promessa para admiradores da genuína sétima arte.

29/02/12 por Jessica

   

Mais informações por email

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Instagram
YouTube
Facebook