Naufrágio do Titanic completa 100 anos

Naufrágio do Titanic completa 100 anos

Em 15 de abril, o naufrágio do Titanic símbolo da modernidade de sua época e que foi construído para jamais afundar, completa 100 anos.

O Titanic no fundo do oceanoNeste final de semana, o mundo lembra o fatídico naufrágio de abril de 1912. Construído pelo custo de $7,5 milhões, somando 260m de comprimento e pesando 46 mil toneladas, o RMS Titanic foi planejado para cruzar os mares sob as bênçãos da White Star Line como símbolo de soberania. Honras faziam jus ao nome hiperlativo de titã: era apogeu do progresso da engenharia náutica.  Dito com inexpugnável na sua anunciação vigorosa, recebia também o título de navio que jamais afundaria. Entretanto, as gélidas águas do Atlântico Norte iriam contrariar a credulidade dos homens: em 15 de abril, o Titanic iria partir-se ao meio e debruçar-se no oceano.
O navio deixando Southampton. A primeira viagem foi anunciada a todo o mundo.

 A viagem inaugural

Em 10 de abril de 1912, o Titanic deixa o porto Southampton, Inglaterra e passa pela França e Irlanda, rumo ao destino, Nova York. A bordo do transatlântico, 2.223 pessoas, dessas 890 eram membros da tripulação, e o restante dividido em classes A - aí inclusos grandes nomes da alta sociedade britânica e americana - , B, C e D.

A Grande Escadaria do TitanicO Titanic ostentava luxo e soberania em magistrais instalações: espaços de banhos turcos, academias, três bibliotecas, salão de jogos, quadra de squash e duas orquestras, incluindo a Grande Escadaria: ornada em madeira nobríssima e ornada com detalhes renascentistas era homenagem aos titãs da mitologia grega.

Mais sobre naufrágio do Titanic completa 100 anos

Iceberg logo à frente

Tripulação do TitanicNas últimas horas do dia 14, o navio cruzava o noroeste da América do Norte e aproximava-se de Newfoundland. No telégrafo, alertas sobre possíveis icebergs flutuantes. Mas como “o mar estava como a grama” – nas palavras do 2º oficial,  Charles Lightoller – não havia motivos para alterar a rota e o transatlântico continuou a toda velocidade, usufruindo da tecnologia exímia da usina instalada em seus porões.

Iceberg com marcas do casco no navioEntretanto, o mar desafia a embarcação: às 23h40, os 2 vigias do Titanic - outros navios usavam um – apontam “Iceberg logo à frente!”. Uma manobra de desvio foi ordenada, mas não em tempo: a pedra de gelo atinge o navio um minuto depois. O Titanic, construído para flutuar com até 4 compartimentos inundados estava condenado a desaparecer no Atlântico com 5 compartimentos atingidos pelo gelo.

Mulheres e crianças primeiro

Botes do TitanicNos primeiros instantes, duvidava-se da condenação do navio. Mas, com a água invadindo cabines e salões, o capitão Edward Smith ordenou a emissão de pedidos de socorro e evacuação. Uma hora depois do choque 25.000 toneladas de água tomam a popa e fazem ruir o transatlântico. Aos botes foram destinadas “mulheres e crianças primeiro”. Era o caos anunciado: a tripulação sabia que eram suficientes para 1178 passageiros, e que o Titanic levava 2.223.

A decida dos botes –que levaram 700 passageiros, prova de que chegaram ao mar quase vazios - durou cerca de 40 minutos. Enquanto o Titanic partia-se entre as 3ª e 4º chaminés, o destino de mais de 1.500 pessoas seria selado com a peripécia que a natureza preparou à maquina: às 2h05h, o transatlântico sucumbe ao mar e as vítimas perecem na água de -2°C ou sugados pelo titã que tinha o seu fim.

Às 4 horas, o navio Carphatia, que recebeu o pedido de socorro do Titanic, chegou ao local do fatídico, socorrendo os 14 botes como os sobreviventes de um dos maiores naufrágios da história.

11/04/12 por Jessica

   

Mais informações por email

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Instagram
YouTube
Facebook